II Seminário Missões Com Crianças.

II Seminário Missões Com Crianças.
Participe e nos ajude a levar doações aos nordestinos em janeiro de 2018!

Translate/Tradutor

27 de janeiro de 2012

BRINQUEDOS - REPRESENTAÇÃO DE VALORES SOCIAIS?

Foto do site:  drbachflower.blogspot.com 
Estrela - Empresa Multinacional 
Em uma sociedade em que os valores parecem perdidos, nós precisamos saber organizar nossas ideias e saber repassar aos pequenos bons motivos para serem honestos, terem caráter e buscarem viver em sociedade tolerando sem se misturarem com os valores que não condizem com a conduta deles enquanto cidadãos.

Parece meio absurdo falar em representação de valores em relação à crianças, mas se prestarmos atenção a vidinha delas e as coisas que as cercam, nós veremos que o que mais influencia ação de criança são brinquedos. Que menina não brincou com a "Barbie", quem não quis ser magra como ela e vestir as roupas maravilhosas que ela possui? Que menino não quis ter um "playmobil" ou um "Max Stell" e ter as vantagens mobilísticas que os bonecos possuem com suas variedades de carros, motos, aviões e lanchas.... ou o corpo escultural, totalmente malhado do "Stell"?

Os brinquedos falam mais do que se possa imaginar, por isso, nunca aceitei que dessem brinquedos que contivessem armas ou espadas ao meu filho mais velho. Quando ele ganhou um boneco com uma arma representando a BOPE, eu fiz com que devolvesse. Pode parecer meio radical, mas quem aguentaria ele pegando numa arma de verdade por curiosidade tempos depois?
Brinquedos são produzidos e distribuídos no mundo todo por empresas multinacionais, que querem vender seus produtos. Um produto só se vende se quem assiste o comercial ou lê a propaganda se identifica. Qual criança não se identifica quando vê um brinquedo e tem o desejo de tê-lo? Logo, as empresas revendedoras fazem de tudo para que os pais comprem o desejo de seus filhos e se for preciso transmitir mensagens para as crianças sobre o mundo social em que elas vivem. Farão! Afinal, os brinquedos não são feitos apenas para crianças brincarem e se divertirem, mas para representarem práticas sociais. Quer um exemplo? 

Foto do site: http://word-of-barbie.blogspot.com
Qual a finalidade de se criar uma "Barbie" grávida se não for para sugerir as meninas de que precisam se preparar desde cedo para serem mães enquanto adultas? Claro, ninguém vai falar isso para uma criança, mas a mensagem subliminar está aí. Outra coisa, qual a finalidade de se criar um "Max Stell" se não for para cultura do corpo, para destreza de seus movimentos, para utilização de seus veículos? Todo menino quer crescer e ficar "sarado", quer ser rápido e hábil em suas ações para impressionarem com seus carros ou motos a quem o vir. Não sejamos hipócritas, basta ler os jornais e veremos que é assim mesmo.

Brinquedos representam valores sim! São objetos de desejos e quem o deseja almeja manipulá-lo. Logo, quem os cria, os designers, o fazem para que sejam divulgadores de "valores sociais".

Então, concluo e você aceita ou discorda se quiser, que brinquedos são representacionais, no sentido de que eles significam como a sociedade se parece em suas relações, em seu papel social, identidades e práticas sociais. Quando as crianças brincam, os sentidos que criam não são os mesmos atribuídos pelo fabricante ao brinquedo. As crianças podem aceitar, rejeitar ou transformar os significados oferecidos, mas a representação do valor já foi colocada à prova.

26 de janeiro de 2012

LUTO NO RIO DE JANEIRO!




QUE O SENHOR JESUS CONFORTE ESTE FILHO(A) QUE PERDEU SEU PAI, MÃE, IRMÃO(A)... PARENTE AMADO E QUERIDO QUE SE FOI NA TRAGÉDIA DO DESABAMENTO DOS PRÉDIOS NO RIO DE JANEIRO.

25 de janeiro de 2012

EBD Infantil - Ordens de Culto em quebra de rotina.

EBD Infantil na ADERC - Assembleia de Deus do Rio Comprido (Pr. Davi Nobre Rocha).

Um dos muitos questionamentos que fazemos em relação à Escola Bíblica Infantil é a mania absurda que muitos cristãos têm de achar que professora de EBD Infantil é Recreadora de creche ou Babá! 

Outro questionamento que sempre fazemos é em relação a mistura de classes e a falta de organização de uma equipe que não se programa para atender às necessidades que crianças, muitas vezes de outra igreja, possuem ao se depararem com uma Escola Bíblica Infantil de rotina diferente da que estão acostumados.

Pensando nisso, resolvemos deixar aqui no Blog Universo do Mundo Infantil algumas das aulas que ministramos como professora de Departamento Infantil na época em que lecionávamos na ADERC - Assembleia de Deus do Rio Comprido. A Aula que segue abaixo é fácil, rápida e se o professor for um bom observador de turma... Conseguirá com que as crianças o ajudem e apoiem na hora da história.

  • Primeiro: Você precisa ter um tema. Neste caso vamos falar sobre Florestas;
  • Segundo: Você já tem o tema, então precisa ter um bom prelúdio (começo), isto é, precisa de um hino que fale sobre o assunto que em breve será abordado. Então, escolha um hino que fale de florestas, matas, árvores...;
  • Terceiro: Você precisa ler um versículo (Gn. 1.12) que será repetido por você e pelas crianças durante toda a aula várias vezes;
  • Quarto: Se a turma for dos pequenos (6 a 8 anos)... Trabalhe a música com coreografia. Eles adoram pular nesta fase e de gritar também. Explore isso! // Se a turma for de 9 a 11 anos... Você pode ir mais além... Trabalhe a manifestação de um teatro de fantoches ou dedoches que pode ser criado pela própria turma usando garrafa pet, papel e cola.  // Já, se a turma for de Pre-adolescentes... Faça com que decorem o versículo, falem em voz alta na igreja e cantem o hino introdutório para os irmãos. 

Essas dicas parecem bobas ou simples demais, mas na verdade, elas são muito úteis na hora que você recebe alunos que, geralmente, não são os seus.

A boa ordem de um culto infantil se dá na rotina. Se você mantiver uma rotina com sua turma... Tudo correrá bem quando receber visitantes em dias de festa ou Santa Ceia. Se você acha que departamento infantil é lugar de tomar conta de filho alheio. Saía já daí, você está no departamento errado e seu chamado é outro. 


24 de janeiro de 2012

0 A 3 ANOS - DESENVOLVIMENTO.

Adriel e mamãe! 
Crianças de 0 a 3 anos merecem receber cuidado e atenção dobrados em casa ou nas instituições de ensino. Afinal, em nenhuma outra fase elas se desenvolverão com tanta rapidez. Costumo dizer que as crianças nesta fase da vida são 'pré-adolescentes'... Se perdermos a direção... Ficará difícil orientá-las em outras oportunidades.

Quando trabalhei em berçário, eu tive a certeza de que as crianças que não realizam atividades programadas tendem a não ter rotina nas salas de maternal. Já, as crianças de turmas maternais se não tiverem atividades com objetivos... Terão apenas uma reprodução do que veem no dia a dia. Isto é, crianças do berçário de um ano a um ano e 11 meses podem ter atividades dirigidas sim. Isto não atrapalhará seu desenvolvimento. Ao contrário... Despertarão para novas atividades com mais naturalidade do que obrigação de horário pedagógico. Assim como as crianças de maternal despertarão para associar com mais rapidez as atividades propostas.

Nas creches, nossos bebês tem espaço para explorar, brincar e se conhecer com muito mais rapidez do que se estivesse em casa. São brinquedos, materiais pedagógicos, estimulação motora e cuidados específicos com as berçaristas (técnicas de enfermagem e educadoras). A estimulação iniciada pelas funcionárias é fundamental no processo de desenvolvimento motor dos pequeninos, que podem não saber falar ou se expressar adequadamente, porém... São capazes de manusear livros e cantar mesmo sem saberem ler nada.
Meu primeiro filho (Adriel) não frequentou creche nos primeiros meses iniciais de vida, porque eu mesma fiz de minha casa um lugar cheio de estimulação sensorial e motora. Queria tanto curtir cada etapa da vidinha inicial dele, que larguei emprego, parei de estudar e me dediquei a ele totalmente. Calma mamães de plantão. Isso foi minha experiência e escolha. Não é dica para ninguém fazer o mesmo. 

Enfim, a cada descoberta de Adriel, eu escrevia na minha agenda e preparava atividades com brinquedos sonoros, fazia teatrinho de dedoches, estimulava com exercícios motores o corpinho e iniciei a socialização com outros bebês, crianças e com os primos, que Adriel tem e são muitos, além de levá-lo ao parquinhos. Deu certo! O danadinho ficou esperto demais e essa fase dele foi uma das mais gostosas de apreciar. Uma fase de desenvolvimento que quando pensei estar no começo... Logo acabou.

22 de janeiro de 2012

LUGAR DE BEBÊ É NA COZINHA!

Uma de minhas experiências marcantes em convívio com crianças de berçário, com certeza, se deu quando iniciei a culinária com eles. Muita mãe que ler isso achará um absurdo. Bebê mexendo com comida! Bebê na cozinha! Entretanto, é incrível como crianças de berçário são mais espertas do que se pode imaginar. 

O trabalho que se desenvolve na área da culinária com bebês é muito proveitoso e mexe com os estímulos destes pequeninos de forma muito peculiar. Eles estimulam a audição quando ligamos o liquidificador. Estimulam o tato quando colocamos os alimentos em suas mãos. Estimulam a visão com o colorido de legumes e verduras e estimulam o olfato, dependendo do alimento que se for preparar. Não digo que durante este processo alguns não chorem. São bebês hora essa. É normal um chorinho. 
Jacarepaguá: Estrada do Bananal, 166. Freguesia. Tel.: 3392.5781
http://www.escolamarcaviva.com.br
Enquanto educadora e neste caso específico, como auxiliar de berçário, aprendi que temos que mostrar a cozinha aos bebês de uma forma muito divertida desde cedo. Minha turminha na Creche Escola Marca Viva, unidade Freguesia em Jacarepaguá era muito especial. Bebês muito espertos. Sorridentes. Ali lidei com bebês de quatro meses até um ano e 11 meses. Juntos vivenciamos muitas aventuras, que em breve contarei em outros artigos que escreverei aqui no MUNDO INFANTIL. 

Essa turminha do ano de 2010 era muito esperta. Os pequeninos não gostavam muito dos momentos de culinária, porque não podiam provar o que tocavam, o que viam... Bebês em fase de amamentação só participavam com as orientações dos sentidos táteis, olfativos e visuais. O paladar deles só encontrava leite e papinha de fruta. No entanto, os maiores brigavam entre si para tocar nas frutas, legumes e verduras que apresentávamos a eles à mesa. Todos queriam tocar o liquidificador. A participação era intensa. Depois de pronta, as vitaminas eram as esperadas, mas as bananas amassadas por eles...Eram as preferidas. Detalhe: mãos higienizadas com álcool 70% antes de tocar as frutas. Assim, nós evitávamos as bactérias tão comuns em berçários.

Mamães! Desde que acompanhem seus bebês no processo de criação da alimentação deles, não há perigo de bebês ficarem na cozinha. Não sejam ingênuas! Não permitam que seus filhos venham a manusear os alimentos sozinhos; tudo deve ser feito na orientação de um adulto, Principalmente quando se trata de bebês. Lembrem-se de que muitos podem ser alérgicos ou apresentarem refluxo, o que vai necessitar de um cuidado e atenção maior.

Os pequenos da creche adoram participar de preparos de alimentos. Tudo para eles vira diversão. Então, faça deste momento um momento divertido. Dê a eles a oportunidade de despertarem o interesse pela alimentação saudável. O ideal antes desta experiência marcante na cozinha é a demonstração dos alimentos através de cartazes. São bebês, mas prestam atenção a tudo. Use uma linguagem clara. Se possível... Cante!

Uma receitinha básica para bebês de seis a 11 meses:
  • 1/2 banana nanica amassada (por eles);
  • 1 xícara (chá) de leite (o que o seu bebê usa)/200ml;
  • Bata tudo no liquidificador depois de deixar seu bebê amassar a banana com as mãos em uma bacia cheia do leite pedido;
  • Depois é só servir na mamadeira. O fato do bebê ter amassado (tocado) e sentido o cheiro no preparo... Já vai deixá-lo "doidinho" pela mamadeira ou papinha na colher.

Divirtam-se juntos... 
Esse é o objetivo maior.
Afinal... 
Lugar de bebê é na cozinha...
Quando a mãe ou um responsável está por perto.

19 de janeiro de 2012

DIREITO DO PROFESSOR - DEMISSÃO E PAGAMENTO DE SALÁRIO.

Foto do site: http://portalxp.net
"Em caso de demissão no final do ano letivo ou no período de férias escolares, você tem direito a receber os salários até o início do período do ano letivo seguinte, caso seja professor da Educação Básica. Se estiver lecionando no Ensino Superior, o prazo se estende até o dia 28 de fevereiro."

(Jornal do Professor, Ano 52, n/218, Dezembro 2011 a Janeiro 2012.)


SinproRio
Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região.
Filiado à CONTEE - CUT - FETEERJ.


Professor, não fique sem saber os seus direitos. Não entre em "atrito" com o seu empregador. Se você desconfia que há algo de errado no processo de demissão que você sofreu... Procure o seu Sindicato. Saiba o que você pode fazer!

18 de janeiro de 2012

Professora de Educação Infantil.



SOU PROFESSORA HÁ 18 ANOS. FORMEI-ME NO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO (ISERJ). LÁ ESTUDEI MINHA VIDA TODA E SAÍ PROFESSORA COMO MINHA MÃE SEMPRE DESEJOU. COMO NÃO FOI UMA PROFISSÃO QUE EU TENHA ESCOLHIDO, JÁ TENTEI ABANDONÁ-LA TRÊS VEZES, MAS ACABEI RETORNANDO EM TODAS. NÃO ADIANTA, MINHA MÃE PODE TER ESCOLHIDO, MAS EU SOU PROFESSORA, NÃO ME FIZ PROFESSORA E NEM ESTOU PROFESSORA.


SÓ TRABALHEI EM DUAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E POR POUCO TEMPO NESTES 18 ANOS DE PROFISSÃO... E NÃO ME ENVERGONHO. A CRIATIVA - CENTRO DE RECREAÇÃO INFANTIL FOI O INÍCIO DE TUDO E FOI O MARCO DE MINHA VIDA EDUCACIONAL. NA CRIATIVA TIVE MEU PRIMEIRO CONTATO COM CRIANÇAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO INFANTIL. ENTREI COMO AUXILIAR DE RECREADORA NA TURMA DE MATERNAL II E FUI À RECREADORA EM TRÊS MESES PARA COBRIR AS FÉRIAS DE MINHA COMPANHEIRA DE SALA, RESPONSÁVEL PELA EQUIPE DA MANHÃ.



http://www.criativa.rec.br/
Rua Eduardo Guinle, 56 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
CEP: 22260-090
O TRABALHO DESENVOLVIDO COM OS PEQUENOS FOI TÃO BOM, QUE QUANDO MINHA PARCEIRA DE SALA VOLTOU ME INDICOU A RECREADORA PERANTE A COORDENADORA E ASSUMI A MESMA TURMA, NO ENTANTO, NO PERÍODO DA TARDE. A PROFESSORA DO TURNO FOI TRANSFERIDA PARA A TURMA DO JARDIM AO RECEBER PROMOÇÃO TAMBÉM.

NA CRIATIVA CRESCI MUITO E PUDE PERCEBER QUE MINHA VISÃO PEDAGÓGICA APRENDIDA NO ISERJ ESTAVA LONGE DA REALIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL. NÃO ERA ERRO DO ISERJ. A TEORIA FOI MINISTRADA MUITO BEM, MAS A REALIDADE PEDAGÓGICA NA PRÁTICA... ESSA FOI TRANSFORMADORA. EM POUCO TEMPO, EU JÁ SABIA LIDAR COM AÇÕES LÚDICAS, PSICOMOTRICIDADE, RECREAÇÃO, MUSICALIDADE E IMPLANTAÇÃO PEDAGÓGICA DE NOÇÕES DE LINGUAGEM E DE MATEMÁTICA COMO SE JÁ TRABALHASSE COM ESTES VALORES HÁ ANOS.

MINHA PRIMEIRA TURMA/1995.

O DESENVOLVIMENTO DE MINHA TURMINHA EM 1995 FOI IMPRESSIONANTE. AS CRIANÇAS QUE SAÍAM DO MATERNALZINHO E ADENTRAVAM NO MATERNAL II TOMAVAM O PRIMEIRO SUSTO AO SE DEPARAREM COM AS MESAS E CADEIRAS DA SALA. A ROTINA DE TRABALHINHOS MEXEU COM O COMPORTAMENTO DE MUITOS QUE SÓ SABIAM CORRER E MORDER, MAS AOS POUCOS CONSEGUIRAM ASSIMILAR A ROTINA DE SENTAREM-SE A MESA E REALIZAREM AS ATIVIDADES COM OS DEMAIS COLEGAS.

MUITOS DE MEUS FUNDAMENTOS PEDAGÓGICOS DEVO AO ISERJ, MAS A AJUDA DE CÉLIA, MINHA PARCEIRA DE TURMA NO TURNO DA MANHÃ FOI FUNDAMENTAL. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Badge